20 de fev de 2008

A Chegada do Bebê

Este é o Pietro e seus pais Andreia e Leandro
Ele chegou!

Depois de tantos preparativos e cuidados, finalmente ele está em casa.

Os pais olham orgulhosos o fruto de seu amor ocupando o bercinho, vestindo o lindo enxoval preparado com tanto carinho...

Avós, tios, amigos, todos concordam que ele é lindo!

Mas, a chegada de um bebê não é só magia e encantamento. Os jovens pais vão precisar ficar mais unidos do que nunca, sabendo que esse momento trará mudanças marcantes para o sistema familiar e para o relacionamento do jovem casal.

Será necessário ajustar a família para criar espaço para o filho(a), onde pai e mãe se unam nas tarefas de educação, cuidados à criança, bem como nas tarefas financeiras e domésticas.

Será necessário um realinhamento dos relacionamentos com a família ampliada para dar lugar aos papéis de pais e avós.

A chegada de um bebê vai provocar um amadurecimento de todo o sistema familiar. Os jovens pais avançarão uma geração ao se tornarem cuidadores de uma geração mais jovem. Nessa hora, se não estiverem prontos para tal mudança, irão surgir brigas entre o casal sobre assumir responsabilidades ou recusa e incapacidade de comportar-se como pais para seus filhos.

Com o bebê em casa, certamente os hábitos do casal se modificarão. Surgem as noites mal dormidas que geram tensões e mau-humor, as inseguranças perante o que gera o choro na criança, a preocupação, por vezes excessiva, de não errarem como pais, a falta de intimidade sexual e de namoro...

Em meio ao trocar de fraldas, às tão temíveis cólicas, ao sono interrompido, aos gastos inesperados e esperados com pediatras e farmácia, o casal deve procurar lembrar que, só passando carinho e apoio um para o outro, é que poderão se reabastecer para lidar com as dificuldades desse período.

É um momento de muita doação, onde a jovem mãe precisará se sentir amada pelo esposo para lidar pacientemente com o pós-parto, com o recuperar de um peso e de um corpo antes da gravidez e, principalmente, com o ritual da amamentação, onde os seios doídos devem estar sempre disponíveis para o amado bebê.

É o momento em que o jovem pai também precisa se sentir amado e fazendo parte dessa gravidez, recebendo da esposa a qualificação e reconhecimento da importância de seu papel importante no cuidar dessa nova família.

Penso que a maternidade se faz existir, na mulher, desde que ela se descobre grávida, mas a paternidade é construída pelo passar dos dias e pelas trocas que o pai vai realizando com a criança.

Por outro lado, os jovens pais e, em especial, a nova mamãe irão precisar ser qualificados pelos seus próprios pais como capazes de exercer bem esse novo papel. Nada pior e mais marcante para o surgimento de pais inseguros do que serem criticados e censurados no seu cuidar por aqueles que os geraram.

(Elisabeth Salgado)